É tempo de viver a plenitude na Terra

Nós só temos uma existência, uma vida, um corpo e, assim, devemos fazer com que valha a pena. Eu não quero que a minha existência seja simplesmente vivida, eu quero deixar marcas. Se a minha vida deixar marcas, significa que eu vivi com propósito. Não importa a marca que você deixa, se é grande ou pequena. O que importa é se ela cumpre o propósito pelo qual Deus lhe criou.

E Ele tem um grande livramento para realizar em sua igreja e na Terra: nossos inimigos serão totalmente destruídos. Mas para isso, precisamos ter um compromisso com a glória e o propósito de Deus, pois isso reflete o espírito de excelência e nos traz vitória, provisão e abundância.

Não devemos ficar parados, apenas preocupados com os problemas pessoas e atuais, mas olhar para as gerações futuras e nos envolver com a missão e a vontade de Deus  – ter os nossos corações comprometidos com o Seu propósito. Existem milhares de pessoas esperando pela palavra, pregação, música, orientação, ensino. Deus não nos levantou para vivermos uma vida confortável e feliz, mas para cumprirmos o propósito de viver uma vida de plenitude para sararmos a nossa Terra ferida.

Esse ano, a Sara Nossa Terra trabalha com o Ano da Plenitude. Cremos que chegou o tempo que a escassez não fará mais parte. Plenitude é o período em que os cegos naturais e espirituais são curados, também é o tempo em que os que sofrem são consolados e os feridos e quebrantados são ungidos e curados. Então, meu querido, que possamos viver nessa Terra com o intuito de levar o amor, o perdão, de estreitarmos os nossos relacionamentos com o Senhor, porque quando fazemos isso, cumprimos os nosso propósito.

Anunciar o Ano da Plenitude implica em trazer um ensino e uma prática de amor, perdão, aceitação em seus relacionamentos com o Pai. Porque quando estamos debaixo de uma aliança firmada em Deus, deixamos de ser julgados por obras, e passamos a responder por nossas intenções e pela graça de nosso Pai. Reflita sobre isso!

Seja o líder que Deus procura

Jesus-e-as-ovelhasQue tipo de líder Deus procura para usar nesses dias? Essa é uma pergunta profunda da qual eu não possuo todas as respostas, mas tenho algumas coisas que Deus colocou em meu coração.

O líder que faz história é alguém diferente do cristão convencional. Percebemos que as pessoas estão muito mais preocupadas em louvar, adorar e interceder do que praticar aquilo que Jesus mandou fazer. Percebemos isso em “shows gospel”, onde milhares de pessoas participam felizes mas as igrejas em geral continuam vazias, pois a ênfase está sendo desviada.

Eu sempre pergunto a Deus: “Como não perder o Teu mover? Como não sair da posição que o Senhor me colocou? Como ser realmente um líder frutífero?”. Então a minha pergunta para você é: “Que tipo de líder você tem sido para sua equipe ou para o seu discipulador?” Nós precisamos estar constantemente revisando isso.

Deus falou ao meu coração que nessa geração temos muito mais sacerdotes do que profetas. Comecei a estudar sobre isso e questionar a Deus: “Mas Senhor, todos nós fomos chamados para sermos reis e sacerdotes”. Apocalipse 5:10 diz que Deus nos constituiu reis e sacerdotes, e somos reis porque fomos chamados para reinar com Ele. Isso é algo legítimo que foi dado a todo filho de Deus.

Somos sacerdotes, pois não precisamos que alguém ofereça a Deus sacrifícios por nós. Jesus rompeu o véu do Santo dos Santos e, assim, todos nós nos tornamos sacerdotes diante de Deus. Mas essa é uma relação entre nós e Deus; entretanto, o ministério não tem somente esse foco, mas também foca nossa relação com o mundo. Como sacerdotes nos relacionamos com o Pai, temos a autoridade que Ele nos concedeu  para falarmos ao mundo e implantarmos Seu reino. Para termos um ministério frutífero precisamos também exercer esse ministério de evangelismo, de ganhar almas, de trazer cura e libertação, de edificar a igreja, de trazer o reino do céu para a terra.