Vale a pena viver pelo prazer momentâneo?

prazer

Quando ouvimos a palavra prazer no contexto do mundo, o que vem à sua mente? Toques, beijos, lugares proibidos, sexo, bebidas diferentes, sensações novas, experiências com novas pessoas, drogas, liberdade, pornografia, baladas.

Prazer é tudo o que sacia os nossos desejos. O que as pessoas fazem para conseguir o prazer? Qual é o preço que pagam? Aonde buscam? A que ou a quem se submetem para consegui-lo? A única coisa que querem é diversão?

O que mais vemos hoje em dia são jovens que, em busca de prazer a qualquer custo, muitas vezes, pagam um preço altíssimo para tê-lo e abandonam seus valores pessoais, suas famílias, sonhos, responsabilidades, sua saúde, sabendo que esse prazer uma hora vai acabar.

O prazer é limitado, não dura muito tempo, é rápido, porém, viciante… ele escraviza, faz sofrer, humilha, culpa e nos faz agir sem pensar. O prazer é cruel. E o que fazer quando o prazer acabar? Sempre queremos mais e mais prazer!

O errado não é ter o prazer, mas viver em função dele, buscá-lo sem limites e fora de tempo. Isso é o que tem destruído muitas vidas. Ou vivemos pelo prazer, ou vivemos pelo propósito. O prazer nunca olha para as consequências nem para os resultados. Nossa geração é a do puro prazer, o tempo todo! Mas é prazer que eu preciso para ser feliz? Tudo na vida tem uma raiz, um motivo. Quais são os motivos de vivermos tanto em busca do prazer?

1) Família

Nos anos 1960, as famílias eram bem tradicionais, rígidas e muito religiosas. Até que um dia um movimento estourou, acreditando na liberdade, se rebelando e abandonando princípios e valores. Veio a época em que se podia fazer de tudo, tudo mesmo! E, assim, acreditavam que seriam livres. A geração dos anos 1970 clamou por paz, amor, sexo livre, drogas e rock’roll. Nesse contexto, tudo o que antes era reprimido se tornou normal e desejado e, assim, começou a geração do prazer.

Muito dos valores que aprendemos em nossas casas vem dessa época de liberdade; pais ensinam seus filhos a beber, fumar, apóiam o sexo antes do casamento (desde que seja o sexo seguro) e, dentro de casa, filhos vivem sem limites e fazem o que querem com o apoio dos pais. É tudo liberado!

2) Aprovação e carência

Para a galera, quem não vive em busca do prazer é careta, alienado, excluído e não é aceito no grupo. E isso é tudo o que um jovem não quer. Ninguém quer sofrer com perseguições, bullyings, ser humilhado, apanhar no colégio ou de ser rotulado. Os grupos hoje são a identidade de seus membros, e tudo o que for necessário para entrar nesse grupo tem de ser feito.

Aí vai a pergunta: será que essas pessoas são realmente seus amigos???

3) Mundo Espiritual

Vivemos o tempo todo debaixo de uma influência espiritual. Somos influenciados em tudo: nos nossos pensamentos, atitudes, sentimentos, relacionamentos. E debaixo dessa influência existe o engano. Pessoas fazem o errado pensando que estão fazendo o certo, já que não estão prejudicando a ninguém.

Provérbios 16:25 – “Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte.” E tudo o que satanás não quer é que ele seja percebido para não ser desmascarado. Ele é sutil, e age plantando pequenas sementes que dão grandes frutos, frutos de morte, roubo e destruição.

Mateus 16:26 – “O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira? Pois não há nada que poderá pagar para ter de volta essa vida.” Depois disso tudo, fica a pergunta: Vale a pena viver pelo prazer?

Qual o padrão de Deus para o relacionamento entre duas pessoas comprometidas com a santidade?

casalÉ certo que a Bíblia não cita o namoro, mas fala de noivado e casamento, de relacionamentos entre pessoas. Esses relacionamentos devem ser honestos, maduros e responsáveis. Não queremos impor lei, regulamento ou regra, mas uma direção que o ajudará a facilitar sua vida sentimental.

“Ficar” não é um relacionamento responsável, mas um momento de prazer e “curtição” ligado ao nosso lado carnal. É o argumento de um espírito mundano que leva as pessoas a um sentimento de fracasso nos relacionamentos. E quanto mais se “fica”, mais insatisfeitas com a vida se tornam, pois os relacionamentos superficiais geram mais ansiedade que felicidade.

Em um relacionamento saudável o “ficar” poderia ser substituído pela amizade especial, onde o contato físico não é o foco central do relacionamento, mas uma proximidade sem um compromisso estabelecido.

Esse tempo pode ser no mínimo de três meses, quando o casal estará orando e buscando a direção de Deus. Esse período os ajudará a evitar mágoas e sofrimentos desnecessários que podem comprometer seu crescimento como pessoa e vida espiritual.

O reino de Deus tem princípios e valores diferentes do mundo do qual você veio. Você pode viver de forma diferente, ter uma vida saudável, sem medo ou culpa, uma vida produtiva e separada. Você vai se maravilhar com os conceitos e valores de Deus para você. O reino de Deus lhe provê uma nova maneira de falar, de agir e de sentir!

Você é nova criatura! Tudo é novo! Isso significa que se você mentia, não mentirá mais. Aquele que roubava, não roubará mais! Quem falava palavrões, não falará mais! No lugar da mágoa e da amargura haverá o perdão! Aquele que “ficava” vai orar e buscar a vontade de Deus. Enquanto ora, inicia um período de pré-namoro, amizade especial ou qualquer outro termo de julgar apropriado.

É muito importante entender que isso não é uma lei, mas uma orientação que os levará, ou não, para um compromisso de namoro, com os olhos voltados para o futuro: um casamento feliz!

Sem dúvida alguma, o romance é ótimo, a taração é fundamental, a sexualidade é uma benção. Mas é importante saber que tudo isso tem de estar baseado em um laço de amizade e respeito pela outra pessoa. Por isso, antes de iniciar um namoro ou qualquer outro compromisso, construa um forte laço de amizade.

Um admirável psicólogo cristão disse, certa vez: “o que eu recomendo a você, solteiro, é: não vá para cama, a menos que vá sozinho”.

Vivemos em um mundo em que há uma avalanche epidêmica 38 doenças, sexualmente transmissíveis. E, a cada ano, novos micro-organismos devastadores se proliferam.

Especialistas em saúde advertem: não existe o chamado sexo seguro fora de um relacionamento monogâmico. Até mesmo a camisinha não é segura em se tratando do vírus da AIDS  de outras DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).

Mas em meio a uma geração sem limites e propósitos, levada pelas paixões da carne, existem pessoas que dizem não ao sexo antes do casamento. Uma geração que deseja fazer diferença em sua sociedade; pessoas que desejam que seu casamento seja para toda a vida e que o considerem um investimento valioso que, nas mãos de Deus, se tornará poderoso instrumento de bençãos. Pessoas que escolheram esperar o tempo certo para isso. E esse tempo é após o casamento.