Quer se divertir no Carnaval? Cuidado porque com ele vem a ressaca moral 

Estamos em clima de Carnaval  e muitos aproveitam as baladas regadas à drogas e bebidas alcoólicas com a falsa ilusão de que agindo assim seriam felizes, mas aí vem a quarta-feira de cinzas e com ela a ressaca moral. E agora? O que fazer? Muitos jovens têm vivido hoje de maneira errada e inconsequente, ou seja, sem pensar, sem ter estrutura física, emocional e espiritual para as penosas consequências de suas atitudes erradas. Eles buscam preencher um vazio dentro de si, serem aceitos, chamar a atenção das pessoas, serem amados e valorizados.Tentam encontrar a felicidade por meio dos vícios, drogas, bebidas, pornografias, sexo ilícito, relacionamentos errados e tudo mais.

Porém,  após esse dia de puro prazer, vivem o “Dia da Ressaca”. O momento em que o prazer temporário acabou, a felicidade não foi encontrada, o “pecador” se sente um lixo, cheio de culpa e infeliz. A ressaca da qual estamos falando, vai além daquela que todos conhecem, que vem após uma noite de muito prazer. Estamos falando das consequências de uma vida no pecado, completamente longe de Deus e do seu propósito. A ressaca comum é um aviso do organismo para que paremos de destruir nosso corpo e comecemos a cuidar dele, pois ele não foi feito por Deus para o álcool e nem para as drogas. Por isso sentimos dores de cabeça, vomitamos, temos sede intensa, ficamos tontos etc, pois nosso organismo está pedindo uma desintoxicação.

Assim também, existe a ressaca espiritual, que é evidenciada quando mergulhamos no pecado e, em algum momento, nos sentimos sujos, cheios de culpa, de dor, rejeitados, solitários, abandonados pelos até então considerados amigos e completamente longe de Deus. Nesse momento de sofrimento, é propício refletir, e perguntar a si mesmo: Será que sou feliz? Será que sou amado por e aceito por alguém? Será que este é o propósito de Deus para minha vida? É para isso que existo? Esse é o momento de descobrirmos que existe solução.

Talvez você seja um jovem que vive sofrendo com dias de ressaca, mas hoje é o dia de enxergar a solução em Deus para a sua vida. Então, antes que a quarta-feira chegue e traga com ela a “ressaca moral”, quero te dizer que hoje a voz de Deus está lhe chamando para cair em si, se arrepender e confessar.

Você conhece os sinais que demostram a baixa autoestima?

Comecei falando no post anterior sobre como anda sua autoestima e hoje quero falar mais sobre esse assunto, pontuando alguns sinais que demonstram que as pessoas tem baixa autoestima. A primeira coisa é: Não conseguimos agradar a todos. Por mais que tentemos, não dá porque as pessoas esperam coisas diferentes e são diferentes umas das outras. Precisamos aceitar que não é possível agradar a todos e não deixar que isso abale a nossa identidade e autoestima.

A dor do fracasso é mais intensa e duradoura do que o prazer e o sucesso. Quando decepcionamos a expectativa de alguém, não podemos deixar que isso afete nossas vidas, nem forme feridas em nosso coração, porque mais importante que agradar pessoas é atingir as expectativas de Deus para você. Mas têm aquelas pessoas que se mostram tão incapazes de suportar as adversidades da vida que se ofendem por coisas insignificantes, como um olhar torto ou a falta de um cumprimento. Tais pessoas amam fazer o papel de vítimas. Então, tome posição contra a ingenuidade e sensibilidade exageradas e receba em Deus todo seu valor.

As pessoas que têm tanta necessidade de conquistar as outras que se sentem na obrigação de “salvar” o mundo e de ser sempre boazinhas. Nunca dizem “não” para não se sentirem culpadas. Ao invés de seduzir as pessoas, acabam se tornando escravas das pessoas e das circunstâncias. Por isso, uma boa autoestima torna nossos relacionamentos mais leves e equilibrados, sem cobranças excessivas e sem desrespeito aos limites de cada um. Uma boa autoestima nos ajuda a selecionar os relacionamentos que fortalecem um ao outro, sem dependência doentia. O verdadeiro amor é fortaleza e saúde para as nossas vidas e de outros.

Enfim, pessoas com autoestima equilibrada, não se veem como superiores ou melhores do que os outros, elas têm prazer em ser como são. O último ato de Jesus com seus  discípulos foi humildemente despir-se diante deles e lavar seus pés. Ele nos ensinou que podemos fazer qualquer trabalho sem nos sentir diminuídas, pois nossa identidade está firme e resolvida n’Ele.

Nossa vida em Cristo é um crescimento constante. Todos os dias estamos aprendendo a amar a Deus, a nos amar e amar aos outros. E o processo de crescimento envolve servir em nossas casa e em qualquer ambiente em que estivermos. Quem quer ser servida, deve aprender primeiro a servir, porque o que faz toda a diferença em nossa vida não é o que temos nem o que fazemos, mas o que somos em Deus.