Pornografia virtual, uma epidemia da sociedade

Muitos relacionamentos estão em crise devido a uma epidemia que é a pornografia virtual. Isso porque ver pornografia muda a atitude do usuário para com o sexo, seu cônjuge e a sociedade. Ele ou ela usa fantasias sexuais para se estimular sexualmente, e passa a ver o sexo como um privilégio casual, e não íntimo e recreativo com seu cônjuge. Embora seja assombroso para muitos, os usuários de pornografia acabam pondo sua vida com Deus, o casamento, o trabalho e as amizades em segundo lugar, depois de seu desejo por pornografia. Eles querem mudar, voltar à vida como era antes, mas a maioria não consegue.

Muitos psicólogos clínicos relataram que, ironicamente, a disfunção erétil é comumente associada ao constante uso da pornografia entre homens e mulheres. Um dos motivos para isso é que a constante busca de imagens sexuais e masturbação, que muitas vezes acompanha isso, levam à insatisfação com o próprio cônjuge. Afinal, a esposa de um homem não consegue manter uma imagem que se compare com as mulheres no mundo da fantasia dos vídeos e imagens pornográficos. O consumidor normal de pornografia se prepara para o desapontamentos e desintegração quase certa de seu casamento. A força viciadora da pornografia é consequência de mudanças neuroplásticas de longa duração, às vezes permanentes, no cérebro.

Lamentavelmente, para o consumidor de pornografia, a confissão e a contrição são geralmente insuficientes para se desprender da prática. Como a dependência das drogas, a pornografia não é só um mau hábito – é um vício. Então ela precisa ser confrontada, passar por um processo de confissão, de cura, “desintoxicação mental” e libertação.

A pornografia muitas vezes é um pecado secreto que perdura por anos em um relacionamento, roubando a felicidade do casal. Isso porque a pessoa que tem essa prática carrega a culpa, e o cônjuge que sabe dela se sente traído, rejeitado, desvalorizado e humilhado. Diante desses sentimentos o casamento pode ruir, pois o amor conjugal foi feito para ser uma entrega total de si para um parceiro permanente e fiel. É uma entrega confiante e abnegada. Em contraste, o sexo pornográfico é egoísta, degradante e mecânico.

Se você tem passado por essa situação, procure ajuda, fale com seus líderes, pastores ou um psicólogo, mas não enterre esse pecado secreto em sua casa, como se ele não estivesse atrapalhando sua vida, trazendo infelicidade para você e para seu parceiro.

Vale a pena viver pelo prazer momentâneo?

prazer

Quando ouvimos a palavra prazer no contexto do mundo, o que vem à sua mente? Toques, beijos, lugares proibidos, sexo, bebidas diferentes, sensações novas, experiências com novas pessoas, drogas, liberdade, pornografia, baladas.

Prazer é tudo o que sacia os nossos desejos. O que as pessoas fazem para conseguir o prazer? Qual é o preço que pagam? Aonde buscam? A que ou a quem se submetem para consegui-lo? A única coisa que querem é diversão?

O que mais vemos hoje em dia são jovens que, em busca de prazer a qualquer custo, muitas vezes, pagam um preço altíssimo para tê-lo e abandonam seus valores pessoais, suas famílias, sonhos, responsabilidades, sua saúde, sabendo que esse prazer uma hora vai acabar.

O prazer é limitado, não dura muito tempo, é rápido, porém, viciante… ele escraviza, faz sofrer, humilha, culpa e nos faz agir sem pensar. O prazer é cruel. E o que fazer quando o prazer acabar? Sempre queremos mais e mais prazer!

O errado não é ter o prazer, mas viver em função dele, buscá-lo sem limites e fora de tempo. Isso é o que tem destruído muitas vidas. Ou vivemos pelo prazer, ou vivemos pelo propósito. O prazer nunca olha para as consequências nem para os resultados. Nossa geração é a do puro prazer, o tempo todo! Mas é prazer que eu preciso para ser feliz? Tudo na vida tem uma raiz, um motivo. Quais são os motivos de vivermos tanto em busca do prazer?

1) Família

Nos anos 1960, as famílias eram bem tradicionais, rígidas e muito religiosas. Até que um dia um movimento estourou, acreditando na liberdade, se rebelando e abandonando princípios e valores. Veio a época em que se podia fazer de tudo, tudo mesmo! E, assim, acreditavam que seriam livres. A geração dos anos 1970 clamou por paz, amor, sexo livre, drogas e rock’roll. Nesse contexto, tudo o que antes era reprimido se tornou normal e desejado e, assim, começou a geração do prazer.

Muito dos valores que aprendemos em nossas casas vem dessa época de liberdade; pais ensinam seus filhos a beber, fumar, apóiam o sexo antes do casamento (desde que seja o sexo seguro) e, dentro de casa, filhos vivem sem limites e fazem o que querem com o apoio dos pais. É tudo liberado!

2) Aprovação e carência

Para a galera, quem não vive em busca do prazer é careta, alienado, excluído e não é aceito no grupo. E isso é tudo o que um jovem não quer. Ninguém quer sofrer com perseguições, bullyings, ser humilhado, apanhar no colégio ou de ser rotulado. Os grupos hoje são a identidade de seus membros, e tudo o que for necessário para entrar nesse grupo tem de ser feito.

Aí vai a pergunta: será que essas pessoas são realmente seus amigos???

3) Mundo Espiritual

Vivemos o tempo todo debaixo de uma influência espiritual. Somos influenciados em tudo: nos nossos pensamentos, atitudes, sentimentos, relacionamentos. E debaixo dessa influência existe o engano. Pessoas fazem o errado pensando que estão fazendo o certo, já que não estão prejudicando a ninguém.

Provérbios 16:25 – “Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte.” E tudo o que satanás não quer é que ele seja percebido para não ser desmascarado. Ele é sutil, e age plantando pequenas sementes que dão grandes frutos, frutos de morte, roubo e destruição.

Mateus 16:26 – “O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira? Pois não há nada que poderá pagar para ter de volta essa vida.” Depois disso tudo, fica a pergunta: Vale a pena viver pelo prazer?