Maconha- Por que você não deve usar

Estudos recentes confirmam que o consumo de cannabis em adolescentes está associado ao risco de depressão, ansiedade e suicídio na idade adulta jovem

Em busca do prazer imediato muitos jovens dessa geração têm se entregado aos vícios e, um deles, é na maconha. Ainda existem aqueles que acham bobagem e que só um “baseado”, não faz mal pra ninguém, mas é aí que está o grande erro.

Um estudo recente divulgado em uma das melhores revistas de psiquiatria no mundo, Jamanetwork, revelou o impacto a longo prazo do uso de maconha em 23 mil adolescentes. A pesquisa aponta que  adolescentes usuários de maconha (em comparação com adolescentes não usuários) tiveram dados preocupantes e que precisam ainda mais de alerta dos pais e, principalmente dos jovens:
– risco 37% maior de desenvolver depressão na idade adulta;
– risco 50% maior de idealização suicida na idade adulta;
– risco de tentativa de suicídio triplicado na vida adulta.

Os autores da pesquisa afirmam que “a alta prevalência de adolescentes consumindo maconha gera um grande número de adultos jovens que podem desenvolver depressão e comportamento suicida atribuíveis à maconha. Este é um importante problema de saúde pública, que deve ser adequadamente abordado pelas políticas de saúde pública”. Enfatizam ainda que as políticas de prevenção devem “educar os adolescentes a desenvolver habilidades para resistirem à pressão do grupo para usarem drogas”.

É triste ver que na busca pela aceitação dos amigos ou como refúgio para os problemas do cotidiano e familiares, milhares de jovens diariamente se entregam ao álcool e as drogas, de modo geral. Mas, há um propósito muito maior e é necessário ter coragem para trilhar um caminho diferente. O problema é que a nossa geração faz escolhas pensando apenas no presente, no agora.

A passagem de 1 Coríntios 6:12 é clara: tudo me é permitido, mas nem tudo me convém. Precisamos passar aos nossos jovens que as dificuldades serão inevitáveis ao longo da vida, elas fazem parte do processo e são exatamente elas que nos fazem mais fortes para atingir o sucesso. E aos pais a missão de zelar e cuidar dos seus filhos com diálogo e atento aos detalhes e sinais que estes transmitem.

As drogas não são um caminho, mas um desvio. Esse estudo mostra uma realidade que vemos hoje em muitos adultos. Pessoas depressivas, suicidas e sozinhas. Não podemos nos calar! Como adultos devemos mostrar a realidade e instruir esses jovens dessas consequências que, muitas vezes, são irreparáveis.

Os jovens precisam colocar suas vidas no altar, escutar as pessoas que podem oferecer um futuro de verdade e não uma realidade passageira. Jovem, aprenda a escolher os ambientes que frequenta, os amigos que farão parte do seu ciclo. A maconha não deve ser encarada como uma droga mais leve porque ela traz sim consequências até fatais. Pais, instruam seus filhos, conversem, fiquem atento aos detalhes do comportamento. E nós, como igreja, vamos trabalhar para que esses dados diminuam. E o governo aplicar estratégicas preventivas para reduzir o uso de cannabis entre os jovens.

Você é uma pessoa ansiosa?

Recentemente foram divulgados dados de uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que revelam números preocupantes e apontam que 23% da população brasileira tem algum tipo de transtorno de ansiedade. A pesquisa mostra ainda que os brasileiros são os que mais sofrem de ansiedade no mundo.

Diante destes números precisamos fazer uma reflexão e parar para pensar sobre o que vem acontecendo dentro dos nossos lares, nos nossos círculos de amigos, família, igreja. Pode ser que a ansiedade na sua própria vida seja um hábito que passa despercebido, e você não se ache alguém ansioso, pare para pensar nos pequenos detalhes do seu dia a dia e reconheça o que está acontecendo.

Se você faz parte do time que se preocupa antecipadamente com os problemas e situações que ainda nem bateram à sua porta, chega a ficar sem ar e tem até mesmo palpitações,  é preciso acalmar o seu interior, e perceber que quando temos a paz de Deus como árbitro em nosso coração passamos a ter a visão de Deus a respeito das situações. Diante de ameaças não ficamos ansiosas, mas enxergamos oportunidades.

Combater a ansiedade é um processo que vai exigir trabalho diário e mudança de foco. No evangelho de Mateus está escrito: “Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” (Mateus 6:33) A rainha Ester viveu uma situação onde precisou vencer a ansiedade, pois estava sob ameaça de ter todo o seu povo destruído. Ester teria que se apresentar diante do rei para defender o seu povo e nem sabia se ele a receberia. Mas Ester agiu, apresentando-se ao rei, colocando em risco a própria vida.

Assim como Ester, vivemos nossas vidas sem saber o que está acontecendo no oculto. Mas Aquele que vê todas as coisas conhece aqueles que intentam mal contra Seus filhos e os livra. Ester venceu no seu interior a ansiedade e com isso livrou seu povo da morte. A ansiedade é resultado de preocupar-se em demasia, só que se preocupar com as coisas erradas. Precisamos mudar nossos hábitos de pensamento e podemos fazer isso meditando na Palavra de Deus. Quando lemos a Bíblia, descobrimos que o mundo não funciona graças a nossa força, mas porque tudo está nas mãos de Deus. Aprendemos que devemos fazer aquilo que cabe a nós, que são próprias do homem, e deixar as coisas de Deus para Ele.

Precisamos buscar o Reino de Deus em primeiro lugar, apresentar nossas necessidades diante de Deus em oração, meditar na Palavra de Deus, e ainda aprender a descansar Nele. Descansar em Deus é também um exercício diário, que muitos ainda não são capazes de fazer, mas confiar N’Ele é o primeiro passo para o nosso milagre emocional e a confiança é a chave que abrirá um novo momento em nossas vidas.