O carinho como base para a construção de uma família

nota11Se não há respeito, não há como ter carinho e afetividade. A afetividade, assim como o respeito, é a demonstração do amor verdadeiro, mas que, infelizmente, hoje em dia é uma dracma rara que precisa ser achada.

As crianças aprendem a ser carinhosas – elas não nascem sabendo. O amor tem de ser uma ação e não uma reação. O amor de Deus faz toda a diferença, porque ele não é uma reação a nós, mas uma ação. Deus teve uma ação: Ele amou o mundo de tal maneira que deu o Seu filho por nós. O problema é que muitas vezes, para nós, o amor é somente uma reação.

O carinho entre os cônjuges leva-os a trocar elogios, priorizar um ao outro, sentir prazer quando estão perto um do outro. E, quanto mais o tempo passa, mais você o respeita e o valoriza. Muitas vezes somos muito misericordiosos com os outros, mas não temos essa misericórdia para com os que estão dentro da nossa casa. Precisamos buscar isso, pois isso é ter carinho.

Respeite seu cônjuge, busque a mesma forma de pensar, seja compassivo. Entenda que seu cônjuge, assim como seu filho, tem falhas; as respeite-o mesmo assim, seja misericordioso e demonstre todo seu amor por ele, suportando seus limites. Peça ao Senhor para que Ele lhe revele quais foram as dracmas perdidas ao longo do caminho na sua família, e as busque. Você só pode buscar aquilo que sabe que perdeu. Se você sabe que perdeu o respeito, o carinho, a afetividade, comece a conquistar tudo isso de novo.

O que a sociedade ensina é: se não deu certo com seu cônjuge, separe-se e vá em busca de outro. Mas isso é mentira. Nós precisamos ensinar nossos filhos ainda pequenos que quando tiver problemas com os amigos, não rompa com eles, mas resolva. Isso começa dentro de casa. Cada vez mais os filhos estão se isolando dos pais, não porque eles não estejam prontos para falar, mas porque os pais não estão prontos para ouvi-los e respeitá-los. Se você encontrou a dracma do carinho, coloque isso em prática e celebre esse fato.

A dracma, para aquela mulher, era algo de grande valor, e ela não se conformou com aquela perda. Que o Senhor lhe ilumine para encontrar as dracmas perdidas do carinho nos seus relacionamentos; que Ele possa lhe ajudar e lhe ensinar cada dia algo novo e que você esteja pronto para praticar a palavra de Deus.

Quais são os valores que perdemos em nossa família?

familia-zen-segredos2440A cultura da nossa sociedade tem roubado valores preciosos dos cristãos, e nós temos permitido passivamente tudo isso. Temos visto se perderem valores bíblicos fundamentais para nossa família crescer em harmonia, para nosso casamento ter harmonia. A igreja de Cristo é responsável por combater esse mal, e a solução está nas famílias bem estruturadas nos princípios bíblicos. A família é responsável por dar raízes e asas aos filhos, para que eles se sintam seguros de poderem voar e ter autonomia. E, quando acharmos as dracmas perdidas, vamos celebrar.

Vamos acompanhar em alguns artigos aqui no blog, dracmas que sumiram de nossas famílias e que são muito importantes para a vivência cotidiana. Vou começar falando da dracma do Respeito:

Respeito não é algo que se perde da noite para o dia, mas algo que vai sendo minado aos poucos até desaparecer por completo. Respeitar é considerar o valor do outro, considerar o que o outro é, mesmo que ele não seja como você gostaria. Seu cônjuge talvez não seja aquilo que você esperava, mas, mesmo assim, você precisa recuperar o respeito por ele. Criança que não respeita os outros é porque não é respeitada em casa. Criança que não considera o outro é porque não é considerada em casa. E nós precisamos resgatar isso.

Respeitar e tratar o outro com dignidade, é dar importância a ele. Quem respeita, ouve com atenção, participa dos sonhos do outro. Nós ocidentais, precisamos aprender a respeitar os mais velhos. No Oriente, quando alguém chega aos 70 anos é o mais paparicado da família. Já em nossas famílias esse posto é do caçula.

Nós só veremos uma mudança drástica em nossa sociedade quando as crianças voltarem a ser ensinadas, desde cedo, a respeitar o outro. Todo esse problema de assaltos e vandalismo é resultado de crianças que, muitas vezes, foram criadas sozinhas e não tiveram seus pais como mentores. São filhos que não viram seus pais em casa, pois trabalhavam o dia todo, e as crianças foram criadas na rua, pelo mundo.