Gerenciando as crises do relacionamento

“Casas e riquezas herdam-se dos pais, mas a esposa prudente vem do Senhor.” (Provérbios 19:14)

A lua de mel acabou e a paixão dos primeiros anos, se bem trabalhada, se transformará em amor verdadeiro. O casal divide agora um dia a dia entre o trabalho, o lar, a criação dos filhos e o ministério. É preciso trabalhar duro para manter a casa suprida e organizada, pagar as contas e todas as demais responsabilidades. Para que essa saudável rotina não vire uma monotonia chata, é importante que marido e mulher sejam criativos e busquem maneiras de adicionar romantismo, gentileza, carinho e cumplicidade no dia a dia.

O número de casais cristãos, outrora felizes, que viram a alegria que possuíam se esvair como resultado de um momento de crise é muito grande. Uma resposta grosseira, uma crítica sem amor ou cobranças constantes, por exemplo, são atitudes destrutivas.

Sem saber como lidar com o conflito, o casal em crise acaba permitindo que discussões tomem proporções gigantescas e que desentendimentos minem o prazer que desfrutavam um na companhia do outro. Assim, paulatinamente, o esfriamento apagou a chama que mantinha o coração do casal aquecido e, como consequência, a aliança enfraqueceu.

Marido e mulher precisam ficar atentos para identificar qualquer ponto de estresse na relação. Uma vez identificado, é fundamental que encontrem uma solução juntos, e, sempre que necessário, buscar ajuda, a fim de evitar que frustrações e tensões levem a uma ruptura, abrindo brecha para um caso extraconjugal.

Conflitos são inevitáveis, eles fazem parte das relações humanas. Buscando ajuda, poderão converter a crise em oportunidade para o crescimento mútuo e o amadurecimento individual, tornando-se mais fortes frente às dificuldades e desafios da vida diária.

Um bom relacionamento conjugal tem poder de construir ou destruir seu ministério. A mulher é a base onde a família é construída. A mulher sábia edifica e a tola, com suas próprias mãos, destrói o casamento, a família e o ministério.

Um casamento onde existe amor e respeito é tão poderoso que pode manter a pressão sanguínea normal, produz alívio do estresse, reduz a depressão e acelera a cicatrização de qualquer lesão, além de aumentar até em 50% a expectativa de vida. Cientistas da Universidade Americana de Brigham Young constataram através de pesquisas científicas que pessoas casadas são mais felizes, vivem mais e adoecem menos que as solteiras. Casar é uma bênção, por isso, cuide do seu casamento e do seu cônjuge e você será o grande beneficiado desse investimento.

 

 

Todo relacionamento precisa de atenção

Lembra como vocês faziam no namoro? No namoro vocês tinham conversas intermináveis, iam andando a pé, muitas vezes nem pegavam o ônibus ou o carro só para demorar para chegar e ter mais um tempinho juntos. Por que agora que casaram falam bom dia e boa noite? Lembre-se de que seu cônjuge precisa saber que tem prioridade em sua vida. Ele espera diálogo, espera sinceridades sem criticas diretas, precisa de devolução, precisa de limites, precisa que você fale a verdade,  precisa de devoluções, precisa de limites, precisa que você fale a verdade, precisa ser elogiado afim de se sentir especial pra você.

Todo casal cristão deve jejuar uma vez por mês pelo cônjuge. Eu faço isso. Uma vez por mês e jejuo pelo meu esposo, é importante fazer isso, afinal você jejua por tanta coisa! Então jejue por seu casamento, e naquele dia você vai pensar e falar com Deus sobre o que você pode fazer para ajudar, o que pode fazer para ser apoio e não problema em seu casamento.

Ore com seu cônjuge, interceda, um pela vida do outro, ore pelos sonhos e pelos projetos. Isso faz a diferença em uma vida a dois. Uma frase de um autor anônimo resume bem isso: “O maior gesto no amor conjugal não está nas mãos que se enlaçam, nem nos lábios que se tocam; está nos joelhos que se dobram para uma oração lado a lado”.

Esses são os principais pontos para um casamento feliz. Marido, que você assuma a liderança, as rédeas da família, que compreende e respeita as lideranças de personalidade, de criação, e aceite sua esposa como ela é; que você preste atenção, dialogue, proteja, elogie. E mulher, honre seu marido, lembre-se de que se submeter é aceitar a missão de Deus para a vida dele. Cuide de sua casa, cuide de seus filhos, dos seus projetos, mas não descuide de você e do seu casamento.