Vamos falar do filme Cinquenta tons mais escuros?

Mais uma vez tenho visto como as pessoas tem se deixado levar pela sequência do filme “50 tons de cinza”, dessa vez intitulado “50 tons mais escuros”. Antes de fazer tais colocações, fui ler a respeito dos livros e dos filmes que em poucos dias de estreia arrecadaram valores exorbitantes, atualmente chegando em cerca de R$ 23 milhões de reais, levando 1,3 milhão de pessoas às salas de cinema e ainda liderando a bilheteria em todo o país. A trilogia que vendeu 100 milhões de cópias conta a história da estudante Anastasia Steele, virgem, que se apaixona pelo milionário, lindo e inteligente, Christian Grey! Até aí tudo bem, não seria este o sonho da maioria das jovens? Só que este “deus grego” possui um pequeno “defeito”,  é sadomasoquista e certamente misógino.

O filme mostra uma relação doentia de um homem bonito, que machuca as mulheres, e abusa emocionalmente delas. E como psicóloga não poderia deixar de expressar meu repúdio quanto a apresentação do filme! Passando uma mensagem que o amor doí, mais do que isto, machuca! Fazendo da sua vida romântica algo trivial que deveria ser especial!

E a sociedade pós moderna está lá, vangloriando, e estimulando os jovens a serem irresponsáveis e burros!  Geração insensata! Foi isso que Jesus falou, geração estúpida. Quando você vê, parece maravilhoso, um homem bonito, rico, carro possante, helicóptero, uma moça linda, virgem. Se fosse na vida real, será que teria um final feliz? Presumo que não porque amor desse jeito adoece.

Os jovens andam confusos sobre o amor porque andam confundindo amor e sexo. Não se sabe mais amar sem a sexualidade. O relacionamento é muito mais voltado para os órgãos genitais, do que para o que está dentro do coração da pessoa. O relacionamento é muito mais fisiológico. Daí os jovens não sabem mais o que é o amor, estão confusos, fazem escolhas erradas e sofrem. Se afastam do outro, entram em depressão. Começam a achar que o verdadeiro amor machuca, trai e aparece o “50 Tons de Cinza”, que aliás, devia ser preto.

O mundo inteiro está achando o máximo a relação doentia do casal. Fui ler muito sobre o tema, vários artigos, e vi que grandes psicólogos, psiquiatras, pensadores, pessoas centradas estavam dizendo que o filme está destruindo o pouco da ideia que restava do jovem sobre o amor, infelizmente. A mensagem intoxicou os nossos jovens! Eles querem o seu dinheiro, estão violando você.

Não permita ser manipulado! Sou psicóloga e atendi milhares de pessoas quebradas por dentro. Gente com feridas ocultas. Que aparentemente estavam alegres, felizes, bem posicionadas na vida, bonitas, mas ocas. Por quê? Idealizam demais, são inseguras, projetam no outro a razão da sua felicidade. Amores doentios.

Pai, mãe não permita que esses filmes cheguem à seus filhos. Não permita ser manipulado por um amor irreal, que machuca, abusa, que mostra um amor perturbador. Uma relação nunca pode incluir violência. Uma relação precisa ser baseada no respeito mútuo e genuinamente no amor e, este, saudável!