Na hora da dúvida, se posicione e escolha ao Senhor

Já falamos por aqui do conflito ocorrido na história de Ló, mas tenho também um outro exemplo de conflito que pode nos ajudar a compreender os traços de cada jornada. Este ocorreu quando Abrão pediu ao seu servo Elizer para encontrar uma esposa para Isaque. Ele chama e o faz jurar que ele não vai tomar qualquer mulher para o seu filho. Que missão difícil! Isaque já estava com quarenta anos e a promessa não parava em Isaque, ela se estendia para as próximas gerações. E isso nos dá uma lição maravilhosa: Deus tem muito mais para você. Aquilo que você já alcançou é só Isaque, a sua herança não para ai. Ainda precisam vir as doze tribos de Jacó na sua vida.

Os comentaristas e rabinos sugerem que Eliezer sentiu neste momento uma profunda ambivalência sobre a sua missão, porque se Isaque, filho da promessa, não se casasse, Eliezer seria o herdeiro das propriedades de Abrão. Eliezer e seus descendentes que herdariam tudo, como Abrão havia declarado em Gênesis 15:8 “Senhor soberano, o que pode me dar se eu continuar sem filhos? E quem vai herdar minhas propriedades é Eliezer de Damasco.” E se Eliezer fosse bem-sucedido em sua missão, trouxesse esposa e o casal tivesse filhos, suas chances de herdar a fortuna de Abrão iriam desaparecer.

Estava nas mãos de Eliezer o futuro da promessa de Deus. Eliezer, um servo. Às vezes você se acha tão pequeno. Mas como Eliezer, há promessas de centenas de vidas que estão dependendo de seu posicionamento. Eliezer estava em dúvida, por isso, aparece o chauchelet. Ele hesitou. Ele estava em ambivalência. Dois instintos lutavam dentro dele: lealdade a Abrão ou lealdade a si mesmo. Ou ele ia ceder à sua ambição pessoal e conseguir qualquer esposa, que não fosse o plano de Deus, ou até dizer que não achou ninguém. Porque se Isaque não casasse ele teria a oportunidade da vida dele. E ele tinha a situação a seu favor, pois Isaque não estava animado a casar. Isaque era o típico filho de mãe velha, a mãe tinha noventa anos, o pai tinha cem. Geralmente esse tipo de pessoa tem mais dificuldade em casar.

Mas, na hora da dúvida, quando uma cadeia, que é o chauchelet, queria prender a mente de Eliezer, ele tomou a decisão de ser fiel ao seu senhor. Eu sei que todos nós temos momentos de dúvidas, acerca do futuro, do nosso crescimento, da nossa liderança. Nesses momentos, precisamos escolher o Senhor e a nossa liderança. O comprometimento de Eliezer venceu, mas não sem uma luta profunda. E isso acontece conosco também. E nós precisamos vencer essas batalhas diariamente.

A rebelião contra a autoridade

Ao acatar a proposta do diabo, Adão foi destituído da posição de autoridade, e tornou-se um escravo na terra. Quando Jesus estava sendo tentado no deserto, o maligno oferece a glória dos reinos deste mundo, e alega ter autoridade sobre eles, porque esta lhe havia sido dada por Adão.

O diabo não tinha autoridade alguma sobre a terra, até que Adão transferiu-lhe toda a sua autoridade ao aceitar a proposta do pecado. Ele tornou-se um impostor, que furtou a autoridade sobre esta terra. Por isto, Jesus teve que fazer-se homem para resgatar a autoridade sobre a Terra através da obediência absoluta a Deus. E Jesus percorre o caminho da submissão, sujeitando-se a seus pais naturais, a João Batista que o batiza, aos sacerdotes e a Pilatos que o julgam, e principalmente a Deus Pai. Desta forma, ao submeter-se, Jesus resgata “toda autoridade, nos Céus e na Terra”.

Três homens tinham autoridade sacerdotal abaixo  de Moisés e Arão, eles eram Coré, Data e Abirão. Mas são enganados pelo maligno, e se rebelam contra a autoridade de seus líderes. Ao afrontar Moisés e Arão, eles são julgados severamente por Deus. Todo o povo de Israel vê a consequência da rebelião. Aqueles homens são engolidos pela terra, que abre uma fenda abaixo deles, e eles desaparecem naquele abismo que se fecha em seguida. A rebelião atrai o juízo de Deus.

Saul foi um homem constituído rei por escolha de Deus e pela unção derramada pelo profeta Samuel. Mas ele desobedece a ordem de Deus, trazida pela boca do profeta. Sua desobediência custou-lhe o reinado. Samuel diz a ele: “a rebelião é como o pecado da feitiçaria”. Quem desobedece a seus líderes está agindo como um feiticeiro. Muitas pessoas desonram seus líderes, menosprezando a autoridade de Deus investida neles. Mas uma simples atitude como esta pode remover a autoridade que Deus lhes havia dado, e esta rebelião pode custar-lhes a vida.