Será que os relacionamentos estão sendo terceirizados?

Em tempos de globalização, será que estamos, também, terceirizando as relações familiares? O ato de terceirizar está definido como o de atribuir, transferir a terceiros as funções das quais não damos conta, por diversos motivos. Com base nessa definição, cabe a pergunta: será que é possível terceirizar a função de pais? É possível terceirizar afeto? É possível terceirizar amor?

Como terceirizar aquele contato caloroso que a história contada aos pés da cama proporciona a pais e filhos antes do sono? Um contato que une, olho no olho, revela verdades, desvenda os mundos de cada um. Uma presença necessária da comunicação, considerada por vários autores como facilitadora da saúde emocional dos membros da família. Podem ser terceirizados os jogos e as brincadeiras, tão importantes e pouco existentes nas famílias atuais? É possível terceirizar o ato de ler e escrever? Referimo-nos aqui ao ato de ler mundo, de aprender valores morais e éticos, além do ato de escrever a própria história à mão, compartilhada com aqueles com os quais aprendemos a confiar na primeira célula da sociedade, a família. Como terceirizar as primeiras aprendizagens?

Como terceirizar o colo de pai e mãe? Colo? Aquele carinho tão necessário para derrubar a insegurança e a angústia do crescimento, que enxuga as lágrimas da perda, que equivale a dizer “estou a seu lado”. É possível terceirizar o afago, a afeição física, considerada fundamental para o crescimento emocional saudável? E a massagem terapêutica, o toque curativo, o beijo no “dodói”? Soluções? Não as temos.

Sugestões? Nenhuma. Cada ser humano, ao dar a origem a outro ser humano, traz consigo o milagre da vida: as receitas estão na soma da intuição, da observação e reparação, além da aprendizagem instantânea, que são proporcionadas pela experiência. De que formas os pais da realidade pós-moderna podem fazer a diferença na vida dos rebentos? Não perdendo de vista a magnitude da missão que lhes foi concedida: Recriar a vida!

 É, é impossível terceirizar relacionamentos!!”

Deus espera que tenhamos amor por Ele com atitudes corretas

Como o Pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor. Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço. Tenho lhes dito estas palavras para que minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa. O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos (João 15: 9-13).

Desses mandamentos dependem a nossa felicidade e a nossa saúde emocional. Nosso amor a Deus não é baseado em sentimentos, o que Jesus espera de nós não é que tenhamos afeto por Ele, mas que demonstremos com atitudes corretas que o amamos.

“Jesus respondeu: ame ao Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento”. Esse é o primeiro e o maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas (Mateus 22: 37-40).

Precisamos receber o amor de Deus em nossos corações para cumprir seu mandamento de amar o próximo como amamos a nós mesmos. Só Jesus é a fonte de água viva que nos satisfaz e nos completa para sermos capazes de amar o outro.

Quem verdadeiramente ama a Deus obedece aos seus mandamentos. Deus espera que façamos escolhas acertadas em nossas vidas. Por exemplo, quando somos fiéis aos nossos cônjuges e quando optamos por não ter atividade sexual fora do casamento, estamos dizendo a Deus que o amamos e isso tem um valor incalculável nos lugares celestiais e em nosso caráter cristão.

Evidentemente, o amor é uma escolha que vence o medo de ser traído ou rejeitado. Quem se tranca em suas fortalezas com medo de ser ferido fica impedido por essas mesmas defesas de amar e ser amado. Jesus desafiou a mulher samaritana a receber o dom de Deus, que é o amor e, assim, todas as demais coisas lhe seriam acrescentadas.

Quer ver sua vida mudar radicalmente? Pare de mendigar amor e comece a amar; pare de reivindicar suas necessidades e comece a servir.