Reconhecendo os tipos de líder

Jesus escolheu um grupo de 12 discípulos totalmente heterogêneo: analfabetos, pescadores, cobradores de impostos, céticos, impulsivos e até um ladrão e traidor. O líder deve aprender a trabalhar com os mais diferentes tipos de personalidade. Procure conhecer a personalidade de seus discípulos. Você deve dar direitos iguais a todos, mas relacionar-se com cada um de acordo com sua personalidade.

Existem alguns tipos de líder e é preciso reconhecê-los: O líder político é fácil de convivência, mas, por querer agradar a todos, tem medo de ser rejeitado. Fala sempre o que você quer ouvir e destaca-se em qualquer reunião. É cativante, mas não é um bom ouvinte. Por não aceitar opiniões contrárias a dele, afasta pessoas mais maduras que lhe seriam de grande ajuda. Contrariado, torna-se irado e vingativo. Encobre a verdade para fugir de confrontos e conflitos. Acaba expondo seus companheiros em benefício próprio e por se sentir superior a eles.

O líder perfeccionista tem dificuldades para ser treinado, pois esconde suas fraquezas. Geralmente, ele foi criado em um lar exigente onde foi excessivamente criticado por seus pais. Considera-se superior, mais sábio e capaz que todos. Suscita desavenças no grupo com suas críticas mordazes, pois sente necessidade de provar suas certezas como arma de defesa. Ele precisa procurar seu líder e reconhecer que tem dificuldades para receber orientações e aceitar correção. Sem arrependimento e confissão, mais enfermo e endurecido seu coração se tornará.

O líder inconstante é uma pessoa emocionalmente instável e sensível. Não foi treinado para ser resiliente diante das pressões da vida. Sempre se vitimiza e culpa outros por seus erros. É ressentido, arredio e extremamente pessimista. Está sempre focado no fracasso e torcendo pelo fracasso dos outros também, porque quando ele vê o fracasso, se sente poderoso, porque é como se a profecia dele se realizasse. Ele desiste facilmente das suas metas, desafios e sonhos. Normalmente é uma pessoa retraída, não gosta muito de estar no meio de muitas pessoas.

O líder visionário é impulsivo, agitado, sonhador e otimista. Sabe envolver as pessoas e motivá-las para atingir seus objetivos. Ama desafios e possui energia ilimitada. Porém, pode cansar sua equipe com excesso de novidades e projetos.

Não se sinta mal se você não é assim, porque esse líder dá uma canseira na sua equipe. Ele é muito aberto a novas ideias e tem sempre alguma ideia em mente. É muito impaciente e, por vezes, hostil.

O líder infantil é inteligente e extrovertido, mas se recusa a crescer e a assumir suas responsabilidades de adulto. Sempre buscando alguém para suprir suas necessidades. Fala tudo que lhe vem à cabeça, pois não tem senso crítico. Esse tipo de pessoa sente-se especial e quer ser tratado sempre assim. Não entende que nem sempre dá para ser o centro das atenções.

O líder competitivo acha que tudo que ele faz é melhor. O foco da vida dele é buscar o sucesso a todo custo. Seu maior desejo é ser destaco no grupo e admirado por suas conquistas, nem que para isso ele tenha que manipular resultados. Ele se preocupa mais com os holofotes do que com o projeto. Esse tipo de pessoa não está preocupado com o reino de Deus, mas sim consigo mesma. É alguém individualista, mas que tem ideias originais. São muito críticos de si mesmos e, consequentemente, crítico dos outros.

O líder justiceiro reclama das injustiças do mundo, do governo, das pessoas, do líder e do cônjuge. Seus fracassos são sempre responsabilidade de outros. Tem problemas com metas e regras ou limites. Sente dó das pessoas e acha que nasceu para salvar os oprimidos como ele.

Como cultivar o amor durante anos de relacionamento?

Talvez você já tenha se perguntando “como cultivar o amor durante anos de relacionamento?”. O segredo é: semeie amor, crie um saldo positivo, pois assim sempre haverá créditos para superar uma decepção ou um desgaste.

Em relacionamentos em crise, as pessoas sempre dizem que o relacionamento está ruim porque não amam mais seu cônjuge, e isso acontece porque elas não construíram uma relação baseada em amor, não foram cultivadas sementes de amor. Quando o relacionamento se rompe é porque existe uma equação negativa, normalmente porque um lado está se doando mais que o outro, gerando um desequilíbrio emocional. Sem equilíbrio não há estabilidade, ou seja, não adianta só você se doar para seu cônjuge – isso não mantém um relacionamento. Ele também precisa se doar, precisa haver esse equilíbrio.

Podemos comparar a questão do relacionamento como um banco. Você tem um banco emocional, e nesse banco você pode fazer saques e depósitos. Quando você faz algo positivo para seu cônjuge, faz um depósito, gera um crédito; e quando você faz algo que o chateia muito, você faz um saque. Um exemplo: você sai e encontra um amigo, e esse amigo fala coisas boas pra você, te valoriza dizendo que é muito bom te ver, que você está muito bem e que você é importante na vida dele, e diz pra vocês marcarem uma saída para conversarem mais.

Então aquela pessoa em relação a você vai ter um crédito em seu banco de amor, porque ela te faz se sentir bem. Quando as pessoas te fazem se sentir bem significa que elas te amam independente do que você é e do que você fez, e com isso ele acumula pontos. Mas voltando ao nosso exemplo, digamos que na outra semana esse amigo pisa na bola com você, marca de te encontrar para jantar e não vai, e você fica irritado com ele. A amizade não acaba, porque ele tem créditos com você. Você diminui um crédito dele, mas o saldo não fica negativo, entendeu? O problema na família, no casamento, com seus filhos, é que vocês vão deixando a conta só no negativo, só no vermelho, não geram créditos.

Muitas vezes não entendemos a importância de um elogio, de um incentivo para criar um saldo positivo ou até mesmo uma poupança. Na área financeira o saldo negativo seria um problema fácil de resolver, porque dinheiro você consegue trabalhando, ou vende alguma coisa, e vai lá no banco, faz um depósito e cobre a conta. Agora gestos de amor não têm como, é muito difícil você recompensar coisas do passado. Por isso, quando a pessoa aceita Jesus, nasce de novo. É uma nova vida que começa ali, porque se um marido for pagar para a esposa tudo que ele deve durante anos de relacionamento ele jamais vai conseguir sair do prejuízo. Mas quando aceitamos Jesus como nosso Senhor e Salvador, Ele zera a nossa conta, elimina nossas dívidas.