As escolhas que fazemos definem a liderança que teremos

Doutrina, segundo Paulo, era o ensino do que ele acreditava sobre salvação, sobre a volta de Jesus, sobre o batismo. É o modo de viver do cristão, uma maneira diferente de ser e de agir. Com que intenção você faz a obra de Deus? Para ser reconhecido pelos homens ou para ser reconhecido por Deus? Ele também fala sobre a longanimidade. Paulo era um homem irado mas se tornou longânimo.

Quantas vezes você já foi perseguido? Isso é bom, é necessário para que o líder possa crescer. Nós devemos viver de maneira digna para que nossos discípulos possam nos copiar, e sabemos que não é fácil. Quando ele fala de “homens maus e enganadores” não estava se referindo a pessoas de fora, mas de líderes de dentro da igreja. Muitas vezes achamos que esse “líderes maus e enganadores” estão levando vantagens, mas a Bíblia diz que eles “irão de mal a pior, enganando e sendo enganados.”

As escolhas que fazemos definem a liderança que teremos. “O que você faz às segundas-feiras define a sua semana” (Steve Jobs). Aquilo que insistimos em fazer repetidamente torna-se mais fácil. A vida é como o surf: quando você se embola em uma onda você precisa se recuperar rápido para não perder a próxima. Isto não significa que a natureza do desafio mudou, mas que a nossa capacidade de executá-la aumentou. Toda mudança acontece de dentro para fora. Ser líder é um privilégio para poucos. Ser líder é usar o seu dom para servir, é entrar em posição de governo, não ser vítima.

Existem alguns erros que um líder não deve cometer. Liderança é fazer escolhas. Você aprende isso com os seus líderes no discipulado. Quais são as escolhas sábias que você precisa fazer todos os dias? Lembre-se que escolha é um hábito. Faça suas escolhas nas principais áreas da sua vida antes de virem as provas e tentações. A carne é fraca e pode ser que você caia. O diabo sempre quer lhe colocar em situações de risco. Entretanto, quando você já está bem definido, suas decisões e escolhas o guardarão e sustentarão. As nossas escolhas definem o nosso futuro e definem a nossa liderança.

Vida de pai e mãe não é mole não!

Ser pai e mãe é uma tarefa para toda uma vida. Tanto a maternidade quanto a paternidade exige muita abnegação, tolerância, paciência, ou seja, todas as “ciências” possíveis. Não existe ex-filho, ex-pai ou ex-mãe. Essa é uma condição que nos acompanha para sempre.

Precisamos nos atentar de que, antes da paternidade, existe a filiação. Para ser pai ou mãe não basta a biologia, tem que ter sido filho, vivenciado esta experiência por um período de tempo com uma figura de autoridade que deu amor e limite.

Cada etapa de nossas vidas nos marca de alguma forma, cada experiência, seja ela boa ou ruim, fica registrada em nosso interior. E vai depender de cada pessoa, da sua constituição emocional, como ela irá vivenciar e elaborar todos esses fatos da vida.

Ser pai ou mãe vai exigir muito de você, do seu tempo, liberdade, sono, amor, do seu dinheiro. No Brasil, por enquanto, alguns tem a bênção de contar com a ajuda de uma babá. Mas é preciso cuidado! Essa comodidade em tempo integral, por exemplo, faz com que muitos pais terceirizem os cuidados com os filhos, como se fossem parte dos afazeres domésticos, com o qual não precisam se preocupar.

Essa é uma cultura que está cada vez mais arraigada no nosso país. Temos visto pais passando suas responsabilidades para seus funcionários e já é bastante comum nas portas das escolas, babás ou motoristas buscando os filhos de pais ausentes.

Esse quadro está ficando tão comum que chega a causar surpresa quando um pai ou mãe busca, diariamente, seus rebentos na escola. A norma está invertida. Os pais estão sem tempo porque possuem outras prioridades. Delegam e colocam em segundo, até terceiro plano, esse tempo com o filho, que deveria ser prioridade. Pais precisam de ajuda, mas não a ponto de serem substituídos.