Você descobre o motivo para viver quando descobre o motivo para se envolver

envolvimentoComo podemos nos envolver uns com os outros, com Deus,  com a nossa família, nosso trabalho natural e ministerial, em tudo aquilo que fazemos? Jesus estava sempre cercado por três tipos de pessoas: a) Seus discípulos, que o amavam e apoiavam: b) a multidão que o crucificou, que só ia atrás dele por causa dos milagres e do alimento; e c) os doutores da lei, estudiosos do Velho Testamento. Existiam várias linhas de doutores: uns acreditavam na ressurreição, outros acreditavam em batismo para mortos e era muito diversificada a interpretação que eles faziam da Palavra. Esse grupo de doutores da lei, os fariseus, também estava sempre ao lado de Jesus. Os discípulos estavam envolvidos com a missão de Jesus, envolvidos em cumprir Seu propósito, respondendo ao Seu chamado.

Jesus tinha vários grupos que Ele treinava. Exigia dos seus discípulos que, se quisessem cumprir a missão, precisavam se envolver. Além dos doze, havia também outros setenta discípulos que andavam com ele, mas que não eram tão íntimos quanto os doze. Enfim, muitos grupos faziam parte da vida de Jesus. Ele prendia a atenção das pessoas, pregava no templo aos sábados, participava e ensinava na sinagoga.

A parábola do samaritano é exatamente a história de um judeu, doutor e conhecedor da lei, que faz uma pergunta para Jesus: “Quem é o meu próximo?.” E Jesus, como sempre, responde com outra pergunta. Ele estava tentando se justificar diante de Jesus, não por causa d’Ele ou do povo, mas por causa da sua própria consciência, pois a única coisa que esses doutores faziam era julgar os outros. Assim, Jesus contou essa parábola para que eles compreendessem o que queria ensinar, que era a importância do pleno envolvimento.

Não fique neutro na sua vida, tenha envolvimento. Deus quer lhe dar uma oportunidade de se envolver. Envolver-se é uma ação, significa agir, mas para isso precisa escolher. Agir é uma escolha. Envolvimento é o comprometimento de uma pessoa com a atividade que está desempenhando. Tem a ver com doação, que está ligada com a vontade pessoal, com a empatia e com o amor. Ele começa na razão e termina na emoção.

Nossas escolhas criam novas realidades. Cada vez que eu decido por algo, estou criando uma nova realidade, quer seja negativa, quer seja positiva. Também a forma como enxergamos a realidade modela a nossa vida, modela nossos relacionamentos. A maneira de vermos o mundo cria o mundo que nós vivemos. Sempre iremos percorrer as estradas que criamos com nossas escolhas. Por meio das suas escolhas, você começa a percorrer estradas novas que são criadas por novas oportunidades.

 

“Nunca se conforme com o que você alcançou”, ensinou Bispa Lúcia na Celebração de Inverno de Natal

Bispa Lucia RodovalhoUma das palavras mais esperadas da Celebração de Inverno em Natal foi da Bispa Lúcia Rodovalho que ministrou nesta manhã, 24, de sexta-feira. O profeta Isaías serviu como base para sua mensagem instrutiva e cheia de fé. “Chegou o tempo de Deus trabalhar nas nossas vidas. Chegou o tempo de alargar as nossas tendas”, disse logo no início da sua palavra.

Explicou a importância de uma cobertura espiritual e enfatizou que a as pessoas “tem dedicado muito tempo à oração e jejum, mas muito pouco para a ação”. “Não estou dizendo que a ação é mais importante, mas somente isso não vai haver uma transformação fora de você.”

Bispa Lúcia destacou ainda que novos territórios, demandam novas conquistas. Novas vitórias, exigem novas batalhas. A cobertura espiritual foi um dos pontos fortes da sua ministração onde ressaltou que ninguém ninguém sobrevivi espiritualmente sem uma cobertura, um pastor, um líder. “Satanás só respeita quem está debaixo de autoridade. Quando você está debaixo de uma cobertura, está revestido de proteção”.